Atualidades

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Anistia Internacional aponta que direitos humanos são desrespeitados em Mossul

11 de Julho de 2017

A organização não-governamental Anistia Internacional (AI) acusou nesta terça-feira (11) o Estado Islâmico (EI), as forças de segurança iraquianas e a coalizão internacional, que apoia Bagdá, de cometer violações aos direitos humanos dos civis durante a ofensiva para libertar o oeste da cidade de Mossul. A informação é da agência Télam.

"Algumas violações poderiam constituir crimes de guerra", alertou a AI em um comunicado, no qual afirmou ter compilado dados que mostram a magnitude dos estragos, do sofrimento e morte de civis durante a ofensiva para expulsar os jihadistas do oeste de Mossul, que começou em 19 de fevereiro último e Bagdá deu por terminada exitosamente na segunda (10).

A organização destacou que o EI usou civis como escudos humanos. Por outro lado, as forças iraquianas e a coalizão comandada pelos Estados Unidos usaram "armas explosivas imprecisas que mataram milhares de pessoas".

Créditos: Acnur/ONU/Ivor Prickett


A organização não-governamental Anistia Internacional (AI) acusou nesta terça-feira (11) o Estado Islâmico (EI), as forças de segurança iraquianas e a coalizão internacional, que apoia Bagdá, de cometer violações aos direitos humanos dos civis durante a ofensiva para libertar o oeste da cidade de Mossul. A informação é da agência Télam.

"Algumas violações poderiam constituir crimes de guerra", alertou a AI em um comunicado, no qual afirmou ter compilado dados que mostram a magnitude dos estragos, do sofrimento e morte de civis durante a ofensiva para expulsar os jihadistas do oeste de Mossul, que começou em 19 de fevereiro último e Bagdá deu por terminada exitosamente na segunda (10).

A organização destacou que o EI usou civis como escudos humanos. Por outro lado, as forças iraquianas e a coalizão comandada pelos Estados Unidos usaram "armas explosivas imprecisas que mataram milhares de pessoas".

Créditos: Acnur/ONU/Ivor Prickett