Gramaticando

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Diferenciando Adjunto Adnominal e Complemento Nominal

19 de Abril de 2012

E aí, gente, tudo bom? Nesse artigo vamos diferenciar dois sintagmas que podem ser facilmente confundidos o Adjunto Adnominal o Complemento Nominal. Antes de tudo, vamos conceituar o complemento nominal. Repare nas seguintes orações:



A construção atrasou

Tenho medo

Moro perto

Sou bom



Não parece que o sentido delas está incompleto? Construção do quê? Medo de quê? Perto de onde? Bom no quê? E se fossem escritas dessa maneira?


A construçãodo prédio atrasou

Tenho medo de matemática

Moro perto do trabalho

Sou bom em gramática



Mais natural, não é? Isso ocorre porque todas as palavras escritas acima em itálico e sublinhadas são consideradas transitivas, ou seja, admitem complementos. Os termos em negrito inseridos estão a complementando, ou seja, são COMPLEMENTOS NOMINAIS. E qual seria uma boa definição deles?




Complemento Nominal:



É um termo integrante (ou seja, complementa o sentido de termos transitivos) que SEMPRE aparece preposicionado. Pode complementar substantivos deverbais, advérbios e adjetivos (mantendo a ordem que apareceu acima).



Atenção para quando falamos sobre substantivos deverbais. Como o próprio nome sugere, são substantivos relacionados a verbos, ou seja, substantivos que expressam ações. O conceito é ainda mais amplo, engloba também substantivos como medo, boato e saudades (que, indiretamente, tem a ver com ações de temer, fofocar e sentir saudades).



Conceito entendido? Então, vamos fazer uma comparação breve entre Adjunto Adnominal e Complemento Nominal:




Adjunto Adnominal

- Acessório

- Liga-se a substantivo

- Sempre apresenta preposição



Complemento Nominal

- Integrante

- Liga-se a Substantivo deverbal, advérbio e adjetivo

- Sempre apresenta preposição



Apenas com essa comparação, já podemos ver critérios práticos para diferenciá-los, como a presença de preposição. Porém, algumas vezes é difícil identificar se ele é integrante ou acessório. Repare nas frases:




A invenção do avião por Santos Dumont foi genial.

O medo de baratas da minha mãe é imenso.

Temos dois termos preposicionados ligados a substantivos deverbais. Qual deles é Complemento e qual é adjunto? Pois bem, vamos analisar uma paráfrase delas:



Santos Dumont inventou o avião e foi genial.

Minha mãe tem medo de baratas e é imenso.



Note que, como os substantivos são deverbais e indicam ações, podem aparecer os agentes e pacientes dessas ações. Os agentes são “Santos Dumont” e “Minha mãe”, enquanto os pacientes são “o avião” e “baratas”. Tal relação se mantém nas frases originais, havendo um termo agente e um paciente para os substantivos deverbais.



“E por que você está me falando isso, Ivan?”. Ok. Vamos finalizar. Os termos que funcionam como Agentes serão considerados Adjuntos Adnominais e os Pacientes, Complementos Nominais (para facilitar a memorização, Agente – Adjunto = vogais; Paciente – Complemento = Consoantes).



Sintetizando tudo o que vimos, podemos ver o fluxograma no link abaixo.



Clique aqui



Tente classificar os termos abaixo o usando. Caso fique dúvida, mande e-mail!!



A votação da emenda pelo congresso demorou;

A história do Brasil é fascinante;

Andei junto aos amigos;

Sou fiel à minha esposa;

Comi um bolo de chocolate.



Espero que ficou tudo claro. Qualquer coisa, mande um e-mail.



Um beijo no coração e até a próxima.



Ivan Perina, Professor de Língua Portuguesa, Graduando em Letras pela UNICAMP.



E aí, gente, tudo bom? Nesse artigo vamos diferenciar dois sintagmas que podem ser facilmente confundidos o Adjunto Adnominal o Complemento Nominal. Antes de tudo, vamos conceituar o complemento nominal. Repare nas seguintes orações:



A construção atrasou

Tenho medo

Moro perto

Sou bom



Não parece que o sentido delas está incompleto? Construção do quê? Medo de quê? Perto de onde? Bom no quê? E se fossem escritas dessa maneira?


A construçãodo prédio atrasou

Tenho medo de matemática

Moro perto do trabalho

Sou bom em gramática



Mais natural, não é? Isso ocorre porque todas as palavras escritas acima em itálico e sublinhadas são consideradas transitivas, ou seja, admitem complementos. Os termos em negrito inseridos estão a complementando, ou seja, são COMPLEMENTOS NOMINAIS. E qual seria uma boa definição deles?




Complemento Nominal:



É um termo integrante (ou seja, complementa o sentido de termos transitivos) que SEMPRE aparece preposicionado. Pode complementar substantivos deverbais, advérbios e adjetivos (mantendo a ordem que apareceu acima).



Atenção para quando falamos sobre substantivos deverbais. Como o próprio nome sugere, são substantivos relacionados a verbos, ou seja, substantivos que expressam ações. O conceito é ainda mais amplo, engloba também substantivos como medo, boato e saudades (que, indiretamente, tem a ver com ações de temer, fofocar e sentir saudades).



Conceito entendido? Então, vamos fazer uma comparação breve entre Adjunto Adnominal e Complemento Nominal:




Adjunto Adnominal

- Acessório

- Liga-se a substantivo

- Sempre apresenta preposição



Complemento Nominal

- Integrante

- Liga-se a Substantivo deverbal, advérbio e adjetivo

- Sempre apresenta preposição



Apenas com essa comparação, já podemos ver critérios práticos para diferenciá-los, como a presença de preposição. Porém, algumas vezes é difícil identificar se ele é integrante ou acessório. Repare nas frases:




A invenção do avião por Santos Dumont foi genial.

O medo de baratas da minha mãe é imenso.

Temos dois termos preposicionados ligados a substantivos deverbais. Qual deles é Complemento e qual é adjunto? Pois bem, vamos analisar uma paráfrase delas:



Santos Dumont inventou o avião e foi genial.

Minha mãe tem medo de baratas e é imenso.



Note que, como os substantivos são deverbais e indicam ações, podem aparecer os agentes e pacientes dessas ações. Os agentes são “Santos Dumont” e “Minha mãe”, enquanto os pacientes são “o avião” e “baratas”. Tal relação se mantém nas frases originais, havendo um termo agente e um paciente para os substantivos deverbais.



“E por que você está me falando isso, Ivan?”. Ok. Vamos finalizar. Os termos que funcionam como Agentes serão considerados Adjuntos Adnominais e os Pacientes, Complementos Nominais (para facilitar a memorização, Agente – Adjunto = vogais; Paciente – Complemento = Consoantes).



Sintetizando tudo o que vimos, podemos ver o fluxograma no link abaixo.



Clique aqui



Tente classificar os termos abaixo o usando. Caso fique dúvida, mande e-mail!!



A votação da emenda pelo congresso demorou;

A história do Brasil é fascinante;

Andei junto aos amigos;

Sou fiel à minha esposa;

Comi um bolo de chocolate.



Espero que ficou tudo claro. Qualquer coisa, mande um e-mail.



Um beijo no coração e até a próxima.



Ivan Perina, Professor de Língua Portuguesa, Graduando em Letras pela UNICAMP.