Info-bixo

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Erro no resultado de vestibular de Medicina da Unitau desclassifica alunos

14 de Junho de 2017

Candidatos do vestibular da medicina da Universidade de Taubaté contestam o resultado da primeira fase do processo seletivo, divulgado na última quinta-feira (8) e corrigido um dia depois.

A mudança na lista de aprovados desclassificou 13 candidatos e aconteceu depois que a resposta de uma questão da prova foi alterada.

A universidade admitiu o erro na questão e alegou que a correção foi necessária para garantir a transparência do processo.

A prova foi aplicada em 4 de junho e o gabarito - com os resultados das questões - foi divulgado no mesmo dia.

Durante a semana, a universidade fez uma errata em uma questão de química. Na quinta-feira (8), divulgou o que seria a lista oficial de classificados.

A lista mostrava os 200 nomes dos candidatos aprovados para a segunda fase da prova, que será realizada no próximo dia 25.

O vestibular vai selecionar 60 alunos para o curso, que começa no segundo semestre.

O valor da mensalidade é de R$ 6,2 mil e os vestibulandos pagam taxa de R$ 380 para realizar a prova.

Depois da divulgação, a universidade admitiu um erro na questão 42 de biologia, em que o aluno deveria assinalar a resposta incorreta.

Inicialmente, a universidade considerou a alternativa D como aquela que o candidato deveria escolher. No segundo gabarito, a resposta passou a ser a B.

O erro alterou o resultado da nota dos alunos na prova e, consequentemente, a classificação dos candidatos.

Uma nova lista de aprovados foi publicada na sexta (9). Nela, 13 pessoas da lista anterior ficaram fora da seleção. As vagas deles para a segunda fase foram ocupadas por outros candidatos.

Um especialista ouvido pelo G1 corrigiu a questão e considerou que duas das respostas estavam incorretas.

Repercussão

O principal questionamento dos alunos é que a mudança no gabarito tenha sido feita após a publicação da lista oficial de classificação.

A aluna Rafaela Antunes tenta medicina há quatro anos e estava se preparando para a segunda fase quando soube da reclassificação.

“Eu já tinha contado aos meus pais. Estar na segunda chamada é um passo mais próximo. Medicina mexe com o emocional do aluno, porque são anos tentando. A lista foi divulgada antes de outra prova que eu faria e isso me prejudicou”, explica.

Outro aluno que não quis se identificar tenta pela quarta vez consecutiva a entrada no curso de medicina em Taubaté.

“Eu achei um descuido, eles têm que responder por isso. A escola acompanha a classificação, a nossa família. Como a gente fica dizendo que passou e depois ao mostrar, não passamos mais? O vestibular nos põe em um pico de estresse emocional e isso é muito difícil. Como uma universidade desse porte comete um erro tão primário?”, disse.

O Diretório Acadêmico da Medicina da Unitau emitiu uma nota de repúdio nas redes sociais chamando o erro de descontrole de gestão.

“A universidade de maneira descabida anuncia um aviso de retificação com uma nova lista de classificados”, diz um trecho.

“O Diretório Acadêmico Benedicto Montenegro e alunos da Faculdade de Medicina de Taubaté repudiam a postura da Universidade”, completa.

Gabarito

Segundo publicação no site da universidade, a questão que alterou a lista foi a de biologia. A pergunta pede a alternativa incorreta em uma lista de características da linhagem do homem na evolução.

Segundo o professor doutor Walter Neves, diretor do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos da Universidade de São Paulo (USP), a questão não tem apenas uma resposta incorreta. Para ele, duas alternativas estão erradas: B e C.

Inicialmente, a universidade publicou como incorreta uma alternativa considerada correta pelo especialista, que diz que “Homo habilis construíam instrumentos rudimentares com pedras”.

A alternativa apontada pelo gabarito retificado diz que “Homo erectus tinham narinas voltadas para cima”. O especialista concorda que essa afirmação está incorreta.

Contudo, para ele, uma outra alternativa também está incorreta. Ela aponta que “O desenvolvimento do gênero Homo está associado ao resfriamento da Terra”. Para Neves, não há essa relação e por isso a questão estaria errada.

Transparência

Em nota divulgada na sexta (9) a Unitau admitiu o erro no gabarito e informou que fez uma nova lista de classificação para garantir a transparência do processo.

Uma outra nota, assinada pelo reitor José Rui Camargo, foi publicada nesta segunda (12), criticando o Diretório Acadêmico.

"No processo seletivo de inverno, em sua primeira fase, identificou-se falha na questão 42 que precisou ser retificada. A Unitau, por sempre prezar pela lealdade da disputa, assumiu o erro de maneira transparente, procedendo a correção da questão 42, o que gerou mudanças na classificação", diz nota.

Sobre o erro apontado pelo especialista, a reportagem aguardava o posicionamento da instituição até a publicação da reportagem.

Créditos: G1

Candidatos do vestibular da medicina da Universidade de Taubaté contestam o resultado da primeira fase do processo seletivo, divulgado na última quinta-feira (8) e corrigido um dia depois.

A mudança na lista de aprovados desclassificou 13 candidatos e aconteceu depois que a resposta de uma questão da prova foi alterada.

A universidade admitiu o erro na questão e alegou que a correção foi necessária para garantir a transparência do processo.

A prova foi aplicada em 4 de junho e o gabarito - com os resultados das questões - foi divulgado no mesmo dia.

Durante a semana, a universidade fez uma errata em uma questão de química. Na quinta-feira (8), divulgou o que seria a lista oficial de classificados.

A lista mostrava os 200 nomes dos candidatos aprovados para a segunda fase da prova, que será realizada no próximo dia 25.

O vestibular vai selecionar 60 alunos para o curso, que começa no segundo semestre.

O valor da mensalidade é de R$ 6,2 mil e os vestibulandos pagam taxa de R$ 380 para realizar a prova.

Depois da divulgação, a universidade admitiu um erro na questão 42 de biologia, em que o aluno deveria assinalar a resposta incorreta.

Inicialmente, a universidade considerou a alternativa D como aquela que o candidato deveria escolher. No segundo gabarito, a resposta passou a ser a B.

O erro alterou o resultado da nota dos alunos na prova e, consequentemente, a classificação dos candidatos.

Uma nova lista de aprovados foi publicada na sexta (9). Nela, 13 pessoas da lista anterior ficaram fora da seleção. As vagas deles para a segunda fase foram ocupadas por outros candidatos.

Um especialista ouvido pelo G1 corrigiu a questão e considerou que duas das respostas estavam incorretas.

Repercussão

O principal questionamento dos alunos é que a mudança no gabarito tenha sido feita após a publicação da lista oficial de classificação.

A aluna Rafaela Antunes tenta medicina há quatro anos e estava se preparando para a segunda fase quando soube da reclassificação.

“Eu já tinha contado aos meus pais. Estar na segunda chamada é um passo mais próximo. Medicina mexe com o emocional do aluno, porque são anos tentando. A lista foi divulgada antes de outra prova que eu faria e isso me prejudicou”, explica.

Outro aluno que não quis se identificar tenta pela quarta vez consecutiva a entrada no curso de medicina em Taubaté.

“Eu achei um descuido, eles têm que responder por isso. A escola acompanha a classificação, a nossa família. Como a gente fica dizendo que passou e depois ao mostrar, não passamos mais? O vestibular nos põe em um pico de estresse emocional e isso é muito difícil. Como uma universidade desse porte comete um erro tão primário?”, disse.

O Diretório Acadêmico da Medicina da Unitau emitiu uma nota de repúdio nas redes sociais chamando o erro de descontrole de gestão.

“A universidade de maneira descabida anuncia um aviso de retificação com uma nova lista de classificados”, diz um trecho.

“O Diretório Acadêmico Benedicto Montenegro e alunos da Faculdade de Medicina de Taubaté repudiam a postura da Universidade”, completa.

Gabarito

Segundo publicação no site da universidade, a questão que alterou a lista foi a de biologia. A pergunta pede a alternativa incorreta em uma lista de características da linhagem do homem na evolução.

Segundo o professor doutor Walter Neves, diretor do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos da Universidade de São Paulo (USP), a questão não tem apenas uma resposta incorreta. Para ele, duas alternativas estão erradas: B e C.

Inicialmente, a universidade publicou como incorreta uma alternativa considerada correta pelo especialista, que diz que “Homo habilis construíam instrumentos rudimentares com pedras”.

A alternativa apontada pelo gabarito retificado diz que “Homo erectus tinham narinas voltadas para cima”. O especialista concorda que essa afirmação está incorreta.

Contudo, para ele, uma outra alternativa também está incorreta. Ela aponta que “O desenvolvimento do gênero Homo está associado ao resfriamento da Terra”. Para Neves, não há essa relação e por isso a questão estaria errada.

Transparência

Em nota divulgada na sexta (9) a Unitau admitiu o erro no gabarito e informou que fez uma nova lista de classificação para garantir a transparência do processo.

Uma outra nota, assinada pelo reitor José Rui Camargo, foi publicada nesta segunda (12), criticando o Diretório Acadêmico.

"No processo seletivo de inverno, em sua primeira fase, identificou-se falha na questão 42 que precisou ser retificada. A Unitau, por sempre prezar pela lealdade da disputa, assumiu o erro de maneira transparente, procedendo a correção da questão 42, o que gerou mudanças na classificação", diz nota.

Sobre o erro apontado pelo especialista, a reportagem aguardava o posicionamento da instituição até a publicação da reportagem.

Créditos: G1