Info-bixo

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Crise da UERJ derruba procura pela universidade

21 de Junho de 2017

Daqui a menos de um mês, os estudantes que vão encarar a primeira etapa do Vestibular 2018 da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), também vão enfrentar a maior crise da história da universidade.

O resultado prévio das inscrições para o 1º Exame de Qualificação do Vestibular teve a pior procura de vestibulandos da história da Uerj.

O Departamento de Seleção Acadêmica (Dsea) informou ao G1 que apenas 35,6 mil estudantes se inscreveram para o exame marcado para o dia 16 de julho. Esse número é menos da metade do número de estudantes que se candidataram a uma vaga no ano passado: 80 mil.

"Já se esperava a queda, mas ela é drástica. É o pior resultado de todos os anos", explicou Gustavo Krause, diretor do Dsea.

As inscrições da primeira fase se encerrariam no dia 12 de junho, mas foram adiadas por uma semana e terminaram no último domingo (18).

Krause explicou que o resultado final deverá sair nesta quinta-feira, mas terá pouca alteração.

O diretor do Dsea acredita que as incrições para a segunda etapa, aberta aos candidatos que tiverem obtido aprovação no Exame de Qualificação, também terá baixa procura se não houver mudanças favoráveis no cenário de crise que a universidade atravessa.

Diante da crise da UERJ, estudantes do ensino médio e os que se preparam nos cursos de pré-vestibular se dividem entre dúvidas e rejeição, e nos que ainda acreditam e confiam que dias melhores poderão vir após a maior crise da história da universidade.

Em entrevista ao G1, o reitor da Uerj, Ruy Garcia Marques, confirma que esta é a pior crise da história da instituição. Ele não nega o rótulo de “calamidade” dado à proporção da crise que atinge a Uerj.

Ele destaca que a instituição segue funcionando, formando profissionais de qualidade, mas não nega as dificuldades de funcionamento.

O Governo do Estado do Rio de Janeiro deve R$ 300 milhões à Uerj, pelos cálculos da instituição.

Nessa conta entram os pagamentos dos salários de abril, maio e o 13º salário de 2016 dos servidores da instituição, além dos contratos com fornecedores que cuidam da limpeza, segurança e manutenção dos elevadores, por exemplo.

Os serviços da instituição atualmente funcionam em condições mínimas.

O bandejão do Campus Maracanã, o principal da instituição, que oferecia cinco mil refeições por dia a preços populares, está fechado desde 16 de janeiro. Depois de cinco adiamentos, o ano letivo recomeçou na Uerj em abril.

O reitor da Uerj, que afirma que esta é a pior crise que enfrenta desde que entrou na universidade, aos 18 anos, como calouro da Faculdade de Medicina em 1973. Ainda assim, ele acredita que a instituição vai se recuperar do período de turbulência.

A quinta maior universidade do Brasil e 11ª da América Latina, de acordo com o ranking do Best Global Universities, tem pelo menos uma geração de alunos que já não sabe o que é estudar em uma instituição sem crise.

De acordo com alunos, professores e funcionários, os problemas da instituição são bem mais antigos do que o decreto de calamidade do Estado do Rio de Janeiro.

A situação teria começado a se agravar ainda no ano de 2015, com os primeiros sinais de problemas no orçamento.

O governo do Estado informou que está negociando para resolver a questão da crise na universidade como a regularização de pagamentos a funcionários, bolsas e fornecedores da Uerj.

"Logo após a publicação da sanção do Regime de Recuperação Fiscal, no Diário Oficial da União, em 22/05, o governo do Estado do Rio de Janeiro iniciou imediatamente as conversas com o governo federal para a homologação do plano estadual. A expectativa é que essas conversas evoluam satisfatoriamente, visando à estabilidade financeira do Estado, assim como a regularização dos salários dos servidores públicos estaduais o mais rapidamente possível".

Como é o vestibular da Uerj

A primeira fase do vestibular da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), também é chamada de Exame de Qualificação. Essa etapa é aberta a candidatos que tenham concluído ou estejam cursando o último ano do ensino médio.

O exame é realizado duas vezes durante o ano, sendo obrigatória a realização de pelo menos um dos exames. São provas de múltipla escolha para todos os inscritos de Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas.

A aprovação no Exame de Qualificação não implica na inscrição automática para o Exame Discursivo. O candidato deverá fazer nova inscrição específica para o Exame Discursivo.

A segunda fase estará aberta somente para os candidatos que tiverem obtido aprovação no Exame de Qualificação e que tenham concluído ou estejam cursando o último ano do ensino médio.

As provas de Língua Portuguesa, Redação e duas de disciplinas específicas para o curso escolhido, são feitas num único dia.

Outras informações sobre o Vestibular 2018 da Uerj poderá ser consultado na página da universidade na internet: http://www.vestibular.uerj.br

Créditos: G1

Daqui a menos de um mês, os estudantes que vão encarar a primeira etapa do Vestibular 2018 da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), também vão enfrentar a maior crise da história da universidade.

O resultado prévio das inscrições para o 1º Exame de Qualificação do Vestibular teve a pior procura de vestibulandos da história da Uerj.

O Departamento de Seleção Acadêmica (Dsea) informou ao G1 que apenas 35,6 mil estudantes se inscreveram para o exame marcado para o dia 16 de julho. Esse número é menos da metade do número de estudantes que se candidataram a uma vaga no ano passado: 80 mil.

"Já se esperava a queda, mas ela é drástica. É o pior resultado de todos os anos", explicou Gustavo Krause, diretor do Dsea.

As inscrições da primeira fase se encerrariam no dia 12 de junho, mas foram adiadas por uma semana e terminaram no último domingo (18).

Krause explicou que o resultado final deverá sair nesta quinta-feira, mas terá pouca alteração.

O diretor do Dsea acredita que as incrições para a segunda etapa, aberta aos candidatos que tiverem obtido aprovação no Exame de Qualificação, também terá baixa procura se não houver mudanças favoráveis no cenário de crise que a universidade atravessa.

Diante da crise da UERJ, estudantes do ensino médio e os que se preparam nos cursos de pré-vestibular se dividem entre dúvidas e rejeição, e nos que ainda acreditam e confiam que dias melhores poderão vir após a maior crise da história da universidade.

Em entrevista ao G1, o reitor da Uerj, Ruy Garcia Marques, confirma que esta é a pior crise da história da instituição. Ele não nega o rótulo de “calamidade” dado à proporção da crise que atinge a Uerj.

Ele destaca que a instituição segue funcionando, formando profissionais de qualidade, mas não nega as dificuldades de funcionamento.

O Governo do Estado do Rio de Janeiro deve R$ 300 milhões à Uerj, pelos cálculos da instituição.

Nessa conta entram os pagamentos dos salários de abril, maio e o 13º salário de 2016 dos servidores da instituição, além dos contratos com fornecedores que cuidam da limpeza, segurança e manutenção dos elevadores, por exemplo.

Os serviços da instituição atualmente funcionam em condições mínimas.

O bandejão do Campus Maracanã, o principal da instituição, que oferecia cinco mil refeições por dia a preços populares, está fechado desde 16 de janeiro. Depois de cinco adiamentos, o ano letivo recomeçou na Uerj em abril.

O reitor da Uerj, que afirma que esta é a pior crise que enfrenta desde que entrou na universidade, aos 18 anos, como calouro da Faculdade de Medicina em 1973. Ainda assim, ele acredita que a instituição vai se recuperar do período de turbulência.

A quinta maior universidade do Brasil e 11ª da América Latina, de acordo com o ranking do Best Global Universities, tem pelo menos uma geração de alunos que já não sabe o que é estudar em uma instituição sem crise.

De acordo com alunos, professores e funcionários, os problemas da instituição são bem mais antigos do que o decreto de calamidade do Estado do Rio de Janeiro.

A situação teria começado a se agravar ainda no ano de 2015, com os primeiros sinais de problemas no orçamento.

O governo do Estado informou que está negociando para resolver a questão da crise na universidade como a regularização de pagamentos a funcionários, bolsas e fornecedores da Uerj.

"Logo após a publicação da sanção do Regime de Recuperação Fiscal, no Diário Oficial da União, em 22/05, o governo do Estado do Rio de Janeiro iniciou imediatamente as conversas com o governo federal para a homologação do plano estadual. A expectativa é que essas conversas evoluam satisfatoriamente, visando à estabilidade financeira do Estado, assim como a regularização dos salários dos servidores públicos estaduais o mais rapidamente possível".

Como é o vestibular da Uerj

A primeira fase do vestibular da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), também é chamada de Exame de Qualificação. Essa etapa é aberta a candidatos que tenham concluído ou estejam cursando o último ano do ensino médio.

O exame é realizado duas vezes durante o ano, sendo obrigatória a realização de pelo menos um dos exames. São provas de múltipla escolha para todos os inscritos de Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas.

A aprovação no Exame de Qualificação não implica na inscrição automática para o Exame Discursivo. O candidato deverá fazer nova inscrição específica para o Exame Discursivo.

A segunda fase estará aberta somente para os candidatos que tiverem obtido aprovação no Exame de Qualificação e que tenham concluído ou estejam cursando o último ano do ensino médio.

As provas de Língua Portuguesa, Redação e duas de disciplinas específicas para o curso escolhido, são feitas num único dia.

Outras informações sobre o Vestibular 2018 da Uerj poderá ser consultado na página da universidade na internet: http://www.vestibular.uerj.br

Créditos: G1