Info-bixo

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

ENEM - 2013

20 de Dezembro de 2013

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) disse nesta sexta-feira (20) que 1.522 candidatos foram eliminados por tentar fraudar o Enem 2013 (Exame Nacional do Ensino Médio). Ontem a Polícia Civil de Minas Gerais informou que uma quadrilha conseguiu passar o gabarito do exame a candidatos em Barbacena (MG).Sobre a quadrilha mineira, o Inep disse que até o momento nenhum nome de suposto candidato beneficiado ou de fiscal foi repassado pela polícia. "Como o Inep, até o momento, não teve acesso a qualquer nome de possível beneficiado pelo esquema, é impossível verificar se os supostos beneficiários da quadrilha estão entre os 1.522 candidatos já excluídos do exame por fraude", afirmou.
As provas do Enem foram aplicadas nos dias 26 e 27 de outubro, quando fiscais identificaram e eliminaram os candidatos que teriam tentado usar pontos de escuta, equipamentos de eletrônicos ou que tentaram consultar conteúdos externos. Dos 1.522 elimnados, 396 foram em Minas e 3 em Barbacena.

Quadrilha
Em Minas, a polícia começou a investigar a quadrilha que estaria envolvida na venda de vagas em vestibulares de medicina em faculdades particulares. Durante a apuração, a polícia prendeu cadernos de prova do Enem e identificou mensagens de celular com parte do gabarito da prova.

A quadrilha agia da seguinte forma: integrantes conhecidos como "pilotos" faziam a prova e saíam rapidamente dos locais do exame, fornecendo o gabarito aos coordenadores da organização que, por sua vez, repassavam as respostas para os candidatos via SMS ou ponto eletrônico. Os estudantes pagavam entre R$ 70 mil e R$ 100 mil.

Após a investigação do Polícia Civil, o inquérito foi encaminhado para a Polícia Federal, que vai tentar identificar possíveis candidatos beneficiados pelo esquema. O Inep afirma que, caso seja comprovada a fraude, o participante envolvido será imediatamente excluído do exame.

Durante o Enem 2013, o instituto eliminou ainda 36 candidatos por postarem fotos das provas nas redes sociais. "A segurança do Enem é realizada, antes durante e após a aplicação das provas, com o acompanhamento da Polícia Federal, o que tem permitido, ao longo dos anos, o aprimoramento do processo", disse o presidente do Inep, Luiz Cláudio Costa.

FONTE: UOL Vestibular

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) disse nesta sexta-feira (20) que 1.522 candidatos foram eliminados por tentar fraudar o Enem 2013 (Exame Nacional do Ensino Médio). Ontem a Polícia Civil de Minas Gerais informou que uma quadrilha conseguiu passar o gabarito do exame a candidatos em Barbacena (MG).Sobre a quadrilha mineira, o Inep disse que até o momento nenhum nome de suposto candidato beneficiado ou de fiscal foi repassado pela polícia. "Como o Inep, até o momento, não teve acesso a qualquer nome de possível beneficiado pelo esquema, é impossível verificar se os supostos beneficiários da quadrilha estão entre os 1.522 candidatos já excluídos do exame por fraude", afirmou.
As provas do Enem foram aplicadas nos dias 26 e 27 de outubro, quando fiscais identificaram e eliminaram os candidatos que teriam tentado usar pontos de escuta, equipamentos de eletrônicos ou que tentaram consultar conteúdos externos. Dos 1.522 elimnados, 396 foram em Minas e 3 em Barbacena.

Quadrilha
Em Minas, a polícia começou a investigar a quadrilha que estaria envolvida na venda de vagas em vestibulares de medicina em faculdades particulares. Durante a apuração, a polícia prendeu cadernos de prova do Enem e identificou mensagens de celular com parte do gabarito da prova.

A quadrilha agia da seguinte forma: integrantes conhecidos como "pilotos" faziam a prova e saíam rapidamente dos locais do exame, fornecendo o gabarito aos coordenadores da organização que, por sua vez, repassavam as respostas para os candidatos via SMS ou ponto eletrônico. Os estudantes pagavam entre R$ 70 mil e R$ 100 mil.

Após a investigação do Polícia Civil, o inquérito foi encaminhado para a Polícia Federal, que vai tentar identificar possíveis candidatos beneficiados pelo esquema. O Inep afirma que, caso seja comprovada a fraude, o participante envolvido será imediatamente excluído do exame.

Durante o Enem 2013, o instituto eliminou ainda 36 candidatos por postarem fotos das provas nas redes sociais. "A segurança do Enem é realizada, antes durante e após a aplicação das provas, com o acompanhamento da Polícia Federal, o que tem permitido, ao longo dos anos, o aprimoramento do processo", disse o presidente do Inep, Luiz Cláudio Costa.

FONTE: UOL Vestibular