• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp

Info-bixo

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

UNESP 2015: QUESTÕES ABORDAM CRISE HÍDRICA DE SÃO PAULO E DERROTA DO BRASIL NA COPA

17 de Novembro de 2014

emas da atualidade foram explorados em várias das 90 questões de múltipla escolha do vestibular Unesp 2015. A crise hídrica de São Paulo pautou a prova de química e um dos gols da Alemanha na goleada que tirou o Brasil da Copa deste ano foi tema de uma questão de física. “Mas as perguntas não eram difíceis”, afirma o diretor pedagógico do cursinho Oficina do Estudante, Célio Tasinafo.

Para ele, a prova não apresentou alto grau de dificuldade para o candidato que se preparou e treinou com versões anteriores do vestibular. “Ela foi tranquila e dentro do esperado”, diz.

Célio disse ainda que as questões de matemática foram simples e bem contextualizadas e que geografia, como era esperado, trouxe muitos gráficos, tabelas e projeções cartográficas. A prova de português seguiu a tradição de não abordou as escolas literárias, o que fez com que a prova se diferenciasse mais do Enem, que este ano, contrariando os anteriores, cobrou o conteúdo.

emas da atualidade foram explorados em várias das 90 questões de múltipla escolha do vestibular Unesp 2015. A crise hídrica de São Paulo pautou a prova de química e um dos gols da Alemanha na goleada que tirou o Brasil da Copa deste ano foi tema de uma questão de física. “Mas as perguntas não eram difíceis”, afirma o diretor pedagógico do cursinho Oficina do Estudante, Célio Tasinafo.

Para ele, a prova não apresentou alto grau de dificuldade para o candidato que se preparou e treinou com versões anteriores do vestibular. “Ela foi tranquila e dentro do esperado”, diz.

Célio disse ainda que as questões de matemática foram simples e bem contextualizadas e que geografia, como era esperado, trouxe muitos gráficos, tabelas e projeções cartográficas. A prova de português seguiu a tradição de não abordou as escolas literárias, o que fez com que a prova se diferenciasse mais do Enem, que este ano, contrariando os anteriores, cobrou o conteúdo.