• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp
  • banner aprovados

Orientao Vocacional

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

As redes sociais

15 de Junho de 2012

Duvido que alguém não tenha pensado em Facebook e Twitter, ao ler o titulo dessa coluna. Hoje em dia é impossível não relacionar o termo rede social com esses sites de relacionamento online, que agregam tantas pessoas ao redor do mundo. Acredito que a grande maioria das pessoas que estão lendo este texto tenha um perfil ou uma conta para usar uma (ou mais) dessas ferramentas.

 

O grande barato das redes sociais online é a possibilidade de fazer amizades, de reencontrar amigos, de fazer contato com pessoas famosas, de ficar por dentro de novidades dos amigos e das notícias do mundo todo, em tempo real. Já existem até estudos científicos sobre o espalhamento de informações nas redes sociais (http://terramagazine.terra.com.br/silviomeira/blog/2012/05/28/uma-teoria-geral-para-o-espalhamento-de-boatos-em-redes-sociais/) e algumas estatísticas incríveis. Por exemplo, em 2011, quando o terrorista Osama Bin Laden foi morto pelas forças norte-americanas, antes da Casa Branca se pronunciar e antes mesmo dos principais canais de televisão acionarem seus plantões, já estava sendo registrada, no mundo, uma média 3.440tuítes por segundo (vejam, POR SEGUNDO!) sobre o assunto. No Facebook, as estatísticas não são menos assustadoras. Só no Brasil, a média de comentários feitos pelos usuários nos murais e nas publicações de amigos é de 1,6 bilhões por mês!

 

Mas, para além da conotação “internética” do termo, vamos entender aqui as redes sociais como organizações de nossas interações interpessoais, do nosso dia-a-dia.Não dá mais para entender que as relações que estabelecemos na “vida real” sejam diferentes daquelas estabelecidas no “mundo virtual”. Tudo junto numa coisa só.

 

E aí, você deve estar se perguntando: “tá, mas e o que isso tem a ver com a minha escolha profissional?”.

 

Já há muito tempo, é consenso na literatura científica que as decisões profissionais não são algo estritamente pessoal, mas sofrem influências de diversas instâncias, tais como a escola e a família. Muitas, vezes, pode-se entender a palavra influência como algo negativo, uma força que faz você fazer coisas que não quer. Isso à vezes pode ser verdade, mas nem sempre é assim. Por exemplo, o papel dos amigos parece que é algo com um poder interessante.

 

A confiança que envolve as relações sociais de amizade permite que haja uma atitude de compreensão entre os amigos, de disponibilidade para ajudar e uma abertura para contar só para os amigos aquelas coisas “intuitáveis”. Assim, a cooperação na troca de informações e, principalmente, de experiências de vida entre amigos pode ser uma alternativa muito saudável para se lidar com as tensões e dificuldades do caminho da escolha profissional.  As redes sociais, assim, passam ser redes de apoio, das mais genuínas.

 

Compartilhar é importante para aliviar angústias. Curtir os amigos, melhor ainda. Um salve aos amigos!!!

 

Rodolfo A. M. Ambiel

Psicólogo – CRP 06/96708

Atendimentos em Campinas e Itatiba.

Em Campinas: Rua Reverendo Eduardo Lane, 186, Jardim Brasil (paralela à Avenida Brasil).

Telefones: (19) 9296-1443 / (11) 9822-2211

Blog: www.decisoesprofissionais.blogspot.br

Facebook: www.facebook.com/rodolfoambiel

E-mail: ambielram@gmail.com

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5057292997836738


Duvido que alguém não tenha pensado em Facebook e Twitter, ao ler o titulo dessa coluna. Hoje em dia é impossível não relacionar o termo rede social com esses sites de relacionamento online, que agregam tantas pessoas ao redor do mundo. Acredito que a grande maioria das pessoas que estão lendo este texto tenha um perfil ou uma conta para usar uma (ou mais) dessas ferramentas.

 

O grande barato das redes sociais online é a possibilidade de fazer amizades, de reencontrar amigos, de fazer contato com pessoas famosas, de ficar por dentro de novidades dos amigos e das notícias do mundo todo, em tempo real. Já existem até estudos científicos sobre o espalhamento de informações nas redes sociais (http://terramagazine.terra.com.br/silviomeira/blog/2012/05/28/uma-teoria-geral-para-o-espalhamento-de-boatos-em-redes-sociais/) e algumas estatísticas incríveis. Por exemplo, em 2011, quando o terrorista Osama Bin Laden foi morto pelas forças norte-americanas, antes da Casa Branca se pronunciar e antes mesmo dos principais canais de televisão acionarem seus plantões, já estava sendo registrada, no mundo, uma média 3.440tuítes por segundo (vejam, POR SEGUNDO!) sobre o assunto. No Facebook, as estatísticas não são menos assustadoras. Só no Brasil, a média de comentários feitos pelos usuários nos murais e nas publicações de amigos é de 1,6 bilhões por mês!

 

Mas, para além da conotação “internética” do termo, vamos entender aqui as redes sociais como organizações de nossas interações interpessoais, do nosso dia-a-dia.Não dá mais para entender que as relações que estabelecemos na “vida real” sejam diferentes daquelas estabelecidas no “mundo virtual”. Tudo junto numa coisa só.

 

E aí, você deve estar se perguntando: “tá, mas e o que isso tem a ver com a minha escolha profissional?”.

 

Já há muito tempo, é consenso na literatura científica que as decisões profissionais não são algo estritamente pessoal, mas sofrem influências de diversas instâncias, tais como a escola e a família. Muitas, vezes, pode-se entender a palavra influência como algo negativo, uma força que faz você fazer coisas que não quer. Isso à vezes pode ser verdade, mas nem sempre é assim. Por exemplo, o papel dos amigos parece que é algo com um poder interessante.

 

A confiança que envolve as relações sociais de amizade permite que haja uma atitude de compreensão entre os amigos, de disponibilidade para ajudar e uma abertura para contar só para os amigos aquelas coisas “intuitáveis”. Assim, a cooperação na troca de informações e, principalmente, de experiências de vida entre amigos pode ser uma alternativa muito saudável para se lidar com as tensões e dificuldades do caminho da escolha profissional.  As redes sociais, assim, passam ser redes de apoio, das mais genuínas.

 

Compartilhar é importante para aliviar angústias. Curtir os amigos, melhor ainda. Um salve aos amigos!!!

 

Rodolfo A. M. Ambiel

Psicólogo – CRP 06/96708

Atendimentos em Campinas e Itatiba.

Em Campinas: Rua Reverendo Eduardo Lane, 186, Jardim Brasil (paralela à Avenida Brasil).

Telefones: (19) 9296-1443 / (11) 9822-2211

Blog: www.decisoesprofissionais.blogspot.br

Facebook: www.facebook.com/rodolfoambiel

E-mail: ambielram@gmail.com

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5057292997836738

Conhea outras atividades

Saiba Mais