• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp
  • banner aprovados

Tira Dúvidas

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Expressões Populares

03 de Maio de 2010

Vários internautas nos escreveram perguntando sobre as origens e significados de algumas expressões populares. Tatiana S. P. Lansa, de Jundiaí, por exemplo, escreveu-nos perguntando sobre as expressões “Erro Crasso” e “Acabar em Pizza”.

Confira, abaixo, as respostas à dúvida da Tatiana e de outros internautas:


“Acabar em Pizza”

Essa expressão ficou bastante popular por conta dos inúmeros casos de corrupção política que acabaram sem punição. Contudo, ela tem origem em um episódio ligado ao futebol. Nos anos de 1960, vários dirigentes do Palmeiras se reuniram para analisar e encaminhar soluções para uma grave crise do clube. Depois de mais de 12 horas de violentas brigas, muitos xingamentos e ofensas pesadas, os cartolas palmeirenses sentiram fome e foram até uma pizzaria. Acalmados por muito vinho e empanturrados de pizza, todos voltaram a ser amigos e a paz foi restaurada. No dia seguinte, o jornalista Milton Peruzzi, do jornal Gazeta Esportiva, estampou a seguinte manchete “Crise do Palmeiras termina em pizza.”

“Erro Crasso”
A expressão significa erro grosseiro, absurdo. Sua origem está associada à figura do General Romano Marco Licinio Crasso, membro do primeiro Triunvirato, juntamente com Pompeu e Júlio César.
Crasso foi nomeado pelo Senado para dominar o território dos Partos – povo de origem persa, que vivia na maior parte do atual Oriente Médio. Comandando cerca de 50 mil homens, divididos em sete legiões, Crasso confiava na vitória apenas pela superioridade numérica de seu exército. Desprezando as táticas de combate das tropas romanas, não avaliando devidamente o território onde se daria o enfrentamento, as tropas de Crasso foram massacradas pelo pequeno exército parto.


“Lágrimas de crocodilo”

Essa expressão é utilizada em vários países como sinônimo de falsidade, hipocrisia. Sua origem está relacionada ao fato dos crocodilos, quando abrem ao máximo suas mandíbulas para devorar suas presas, ficarem com os olhos marejados, dando a impressão de que choram. Evidente que o animal não chora. As tais lágrimas aparecem por conta da abertura das mandíbulas pressionar as glândulas lacrimais, levando as mesmas a liberarem as substâncias responsáveis pela lubrificação dos olhos do bicho.

“Casa da mãe Joana”

A expressão é usada, em sentido amplo, para caracterizar locais nos quais não há regras claras e onde todos podem fazer o que bem entendem. Transportada de Portugal para o Brasil, sua origem está relacionada a Joana, rainha de Nápoles e condessa de Florença, que viveu entre 1326 e 1382. Quando tinha apenas 21 anos, Joana regularizou os bordéis da cidade que governava e estabeleceu a seguinte regra: “o local deve ter uma porta bem evidente, para que todos os interessados possam localizá-lo e pela qual qualquer um possa passar.”
A versão portuguesa dessa expressão, ainda hoje utilizada, é “paço da mãe Joana” e possui um significado mais restrito que o empregado no Brasil, referindo-se, especificamente, a casas de prostituição.





“Coisas do arco da velha”

Expressão utilizada para caracterizar eventos absurdos, inverossímeis, inimagináveis, espantosos. Sua origem é bíblica e está associada à aliança que teria sido feita entre Deus e Noé, após o Dilúvio. Essa aliança seria representada pelo arco-íris. Assim, originalmente, teríamos a expressão Arco da Lei Velha para caracterizar o arco-íris; com o tempo, a palavra lei desapareceu e passamos a ter apenas os termos “arco da velha”.



“Pensando na morte da Bezerra”

A origem dessa expressão é hebraica e está relacionada ao antigo costume de sacrificar bezerros e bezerras para Deus.
Segundo o Antigo Testamento, um dos filhos do rei hebreu Absalão (3º filho do Rei Davi) caiu em profunda tristeza, após sua bezerra favorita ter sido sacrificada. O garoto passou a ter uma existência tristemente contemplativa, pouco se importando com a realidade que o cercava; faleceu pouco tempo depois.


www.oficinadoestudante.com.br


Vários internautas nos escreveram perguntando sobre as origens e significados de algumas expressões populares. Tatiana S. P. Lansa, de Jundiaí, por exemplo, escreveu-nos perguntando sobre as expressões “Erro Crasso” e “Acabar em Pizza”.

Confira, abaixo, as respostas à dúvida da Tatiana e de outros internautas:


“Acabar em Pizza”

Essa expressão ficou bastante popular por conta dos inúmeros casos de corrupção política que acabaram sem punição. Contudo, ela tem origem em um episódio ligado ao futebol. Nos anos de 1960, vários dirigentes do Palmeiras se reuniram para analisar e encaminhar soluções para uma grave crise do clube. Depois de mais de 12 horas de violentas brigas, muitos xingamentos e ofensas pesadas, os cartolas palmeirenses sentiram fome e foram até uma pizzaria. Acalmados por muito vinho e empanturrados de pizza, todos voltaram a ser amigos e a paz foi restaurada. No dia seguinte, o jornalista Milton Peruzzi, do jornal Gazeta Esportiva, estampou a seguinte manchete “Crise do Palmeiras termina em pizza.”

“Erro Crasso”
A expressão significa erro grosseiro, absurdo. Sua origem está associada à figura do General Romano Marco Licinio Crasso, membro do primeiro Triunvirato, juntamente com Pompeu e Júlio César.
Crasso foi nomeado pelo Senado para dominar o território dos Partos – povo de origem persa, que vivia na maior parte do atual Oriente Médio. Comandando cerca de 50 mil homens, divididos em sete legiões, Crasso confiava na vitória apenas pela superioridade numérica de seu exército. Desprezando as táticas de combate das tropas romanas, não avaliando devidamente o território onde se daria o enfrentamento, as tropas de Crasso foram massacradas pelo pequeno exército parto.



“Lágrimas de crocodilo”

Essa expressão é utilizada em vários países como sinônimo de falsidade, hipocrisia. Sua origem está relacionada ao fato dos crocodilos, quando abrem ao máximo suas mandíbulas para devorar suas presas, ficarem com os olhos marejados, dando a impressão de que choram. Evidente que o animal não chora. As tais lágrimas aparecem por conta da abertura das mandíbulas pressionar as glândulas lacrimais, levando as mesmas a liberarem as substâncias responsáveis pela lubrificação dos olhos do bicho.

“Casa da mãe Joana”

A expressão é usada, em sentido amplo, para caracterizar locais nos quais não há regras claras e onde todos podem fazer o que bem entendem. Transportada de Portugal para o Brasil, sua origem está relacionada a Joana, rainha de Nápoles e condessa de Florença, que viveu entre 1326 e 1382. Quando tinha apenas 21 anos, Joana regularizou os bordéis da cidade que governava e estabeleceu a seguinte regra: “o local deve ter uma porta bem evidente, para que todos os interessados possam localizá-lo e pela qual qualquer um possa passar.”
A versão portuguesa dessa expressão, ainda hoje utilizada, é “paço da mãe Joana” e possui um significado mais restrito que o empregado no Brasil, referindo-se, especificamente, a casas de prostituição.






“Coisas do arco da velha”

Expressão utilizada para caracterizar eventos absurdos, inverossímeis, inimagináveis, espantosos. Sua origem é bíblica e está associada à aliança que teria sido feita entre Deus e Noé, após o Dilúvio. Essa aliança seria representada pelo arco-íris. Assim, originalmente, teríamos a expressão Arco da Lei Velha para caracterizar o arco-íris; com o tempo, a palavra lei desapareceu e passamos a ter apenas os termos “arco da velha”.



“Pensando na morte da Bezerra”

A origem dessa expressão é hebraica e está relacionada ao antigo costume de sacrificar bezerros e bezerras para Deus.
Segundo o Antigo Testamento, um dos filhos do rei hebreu Absalão (3º filho do Rei Davi) caiu em profunda tristeza, após sua bezerra favorita ter sido sacrificada. O garoto passou a ter uma existência tristemente contemplativa, pouco se importando com a realidade que o cercava; faleceu pouco tempo depois.


www.oficinadoestudante.com.br

Conheça outras atividades

Saiba Mais